quarta, 16 de abril de 2014 - 07:29h

Integração sul-americana: situação atual e perspectivas

INTEGRAÇÃO SUL – AMERICANA: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS 

por: Heleno Moreira
1 INTRODUÇÃO
  
A maioria da população sul-americana é católica e de origem ibérica, que pelas suas características antropológicas comuns, e um passado histórico compartilhado, conduziriam a uma homogeneidade que facilitaria o processo de integração. O Parágrafo Único do Art 4º da Constituição Federal, de 05 de outubro de 1988, diz o seguinte: A República Federativa do Brasil buscará a integração econômica, política, social e cultural dos povos da América Latina, visando à formação de uma comunidade latino-americana de nações.
Os principais entraves na integração Latino-Americana são: o México estar alinhado com os EUA, no NAFTA; e os países da América Central que são altamente dependentes das exportações para os Estados Unidos da América (EUA). Dessa maneira, a prioridade dos países sul-americanos é a sua integração.
Não se pode esquecer que a América Latina é tradicional área de influência dos EUA. E há que se conviver com essa situação. Um exemplo disso é a reativação da 4ª frota americana no Atlântico Sul.

Hoje, a América do Sul conforma-se em três espaços geopolíticos, com seus respectivos blocos geoeconômicos: Cone Sul – Mercado Comum do Sul (Mercosul); Região dos Andes – Comunidade Andina de Nações (CAN) e o Arco Amazônico – Organização do Tratado de Cooperação Amazônica (OTCA).

Assim, há necessidade da integração sul-americana para se abrir 3 frentes: a Norte, que levará aos centros mundiais do poder, a Africana e a Sul-Sul. Esta conduzirá aos BRIC (Brasil, Rússia, Índia e China), ao IBAS (Índia, Brasil e África do Sul) e aos Países Árabes.

O continente sul-americano está relegado, juntamente com a África, à posição de dois continentes que não foram capazes de montar e operar zonas de livre comércio abertas, modernas e eficientes. Os Estados Unidos estão ocupados com outra agenda: Iraque, Afeganistão, Coréia do Norte, Irã, a nova Rússia e a crescente presença da China aparecem como temas de grande urgência, além dos seus problemas econômicos.

O objetivo deste trabalho é apresentar um breve histórico da integração sul-americana, enfatizando a situação atual, os pontos fracos, as ameaças e as perspectivas futuras, destacando as principais iniciativas em desenvolvimento, que poderão ser consolidadas num único espaço geopolítico.


2  ANTECEDENTES HISTÓRICOS
A integração sul-americana já vinha sendo buscada, sem êxito, embutida no processo latinoamericano.

Simón Bolívar defendia um tipo de integração denominada hispanoamericanismo, cuja idéia era a construção de um sistema de cooperação entre as nações latino-americanas que as protegessem não somente das tentativas européias de constituir movimentos de restauração da ordem colonial no continente, como também, dos Estados Unidos e sua Doutrina Monroe.

Em 1815, Bolívar lançou a idéia da constituição de uma Confederação Americana. Porém, somente em 1826, após intensas negociações, conseguiu realizar o Congresso do Panamá.                                  

Pode-se apontar que tal esforço somente começou a surtir efeito prático, efetivamente, a partir da segunda metade do século XX. Os países latino-americanos, cientes das suas dificuldades econômicas e carentes da ajuda dos países desenvolvidos, criaram a Associação Latino-Americana de Livre Comércio (ALALC), em fevereiro de 1960, através do Tratado de Montevidéu, que previa o estabelecimento de uma área de livre comércio em 12 anos, nos moldes do Mercado Comum Europeu e que deveria ser a base para a criação de um mercado comum latino-americano. Porém, por vários motivos – até em razão da instabilidade política e econômica que afetou a região nas décadas seguintes – essa organização internacional não prosperou. Foi, posteriormente, substituída por um novo Tratado, assinado em 12 de agosto de 1980, para uma nova organização mais flexível: a Associação Latino-Americana de Integração (ALADI).                       

O projeto de criação da Área de Livre-Comércio Sul-Americana (ALCSA) foi apresentado pelo Brasil aos países do Mercosul no início de 1994. Embora não tenha ido adiante, também nessa iniciativa ficou evidente o objetivo de fortalecer a região – e a posição relativa brasileira – para negociar com os EUA no âmbito do projeto de integração hemisférica e, posteriormente, com outras regiões do mundo.
                              
3 UM POUCO DE GEOPOLÍTICA

O que é geopolítica? Segundo Beckheuser 1, “Geopolítica é a Política feita em decorrência das condições geográficas” .
O primeiro fenômeno geopolítico ocorrido na América do Sul foi o papel pioneiro e revolucionário de Portugal, seguido posteriormente pela Espanha, ao dar início às grandes navegações, alterando o centro de gravidade comercial do Mar Mediterrâneo para o Oceano Atlântico.

Essa pujança ibérica nos mares deu origem ao conceito geopolítico mais inesperado da época – o Tratado de Tordesilhas, pois legou o domínio do Atlântico Sul a Portugal, uma vez que este país alterou a Bula Papal Inter Coetera.
   
3.1     Teorias Geopolíticas
Para maior clareza e simplicidade, somente serão apresentadas as teorias que serão úteis ao embasamento geopolítico deste trabalho.

Em 1930, foi estabelecida, pelo general geógrafo alemão Karl Ernst Nikolas Haushofer, a Teoria das Pan-Regiões, que tem como idéia-chave a divisão do mundo em quatro grandes regiões naturais: Pan-América, Euráfrica, Pan-Rússia e Pan-Ásia.

Quanto às concepções mais atuais, surgiu, em 1968, a Teoria da Tríade, engendrada pelo Clube de Roma (bloco econômico precursor do Grupo dos Sete - G7). Nela, o mundo seria dividido em três blocos: americano, europeu e asiático. Obviamente, os três blocos ficariam sob a direta influência político-econômica dos EUA.

Em 1991, o conselheiro francês Jacques Perruchon de Brochard lançou a Teoria dos Blocos. A sua idéia-chave consiste na divisão do mundo em quatro “Blocos”: Federação das Américas (“Casa do Dólar”), Confederação Euroafricana (“Casa do Euro”), União das Repúblicas Soberanas (“Casa do Rublo”) e Liga Asiática (“Casa do Iene”). 

Também em 1991, foi apresentada a Teoria do Limes cujo autor é o francês Jean-Christophe Rufin. Sua idéia basilar reside no “conflito” entre os Estados ricos do Norte e os Estados pobres do Sul. Porém, o Norte ou Sul não deve ser entendido como demarcação essencialmente geográfica, e, sim, econômico-social.

Para que tal concepção pudesse ser aplicada, seria traçada uma nova fronteira, a qual chamou de “Limes”, por intermédio da qual se procuraria impedir que os “Novos Bárbaros” invadissem o “Império” (imigração da miséria).

Em 1992, o estrategista Pierre Lellouche, também de origem francesa, estabeleceu a Teoria da Incerteza (ou da Turbulência). A idéia-chave dessa teoria é a seguinte: após o esfacelamento da ex-URSS, e o conseqüente término do conflito leste x oeste, o século XXI se caracterizaria por uma “desordem mundial”, a qual poderia durar três décadas (até 2025). Tal desordem seria causada por revoluções nas antigas Repúblicas Soviéticas, explosão demográfica na África, ameaça nuclear, de países islâmicos do norte da África, contra a Europa, rearmamento do Japão, dentre outras. É importante ressaltar que a América Latina está livre dessa turbulência.

Sobre o Brasil, Lellouche disse que o País deveria aproveitar-se desse cenário de turbulência para sair da estagnação, sozinho (se necessário for); com um grupo de países vizinhos (melhor); ou com toda a América do Sul (ideal) (MAFRA, 2006, p. 173).

Em 1996, o coronel do Exército Brasileiro Roberto Machado de Oliveira Mafra desenvolveu a Teoria do Quaterno, cuja idéia é que a partir do primeiro quarto do século XXI, o mundo seria dividido em quatro blocos: Bloco Norte-Americano: países integrantes do NAFTA; Bloco Sul-Americano: inicialmente, países sul-americanos e, posteriormente, acréscimo dos países latino-americanos da América Central, do Caribe e o México; Bloco Europeu: idêntico ao da Teoria da Tríade; e o Bloco Asiático: da mesma forma.

O sustentáculo dessa teoria é a negação, pelos Estados latino-americanos, de tratamento inferiorizado, por parte das lideranças mundiais e outros blocos (MAFRA, 2006, p. 197).

4         SITUAÇÃO ATUAL
A América do Sul possui os seguintes blocos, todos com o objetivo de integração: CAN, OTCA, Mercosul e Unasul, além da IIRSA, que é a ligação física. Ressalta-se que o Mercosul tem se mostrado mais estruturado e com mais potencial. A Unasul originou-se da idéia de unir a CAN ao Mercosul. Serão apresentados cada um deles.

4.1      Comunidade Andina de Nações (CAN)
O Acordo de Cartagena criou, em 26 de maio de 1969, o Pacto Andino para facilitar a integração econômica dos países andinos – Bolívia, Chile, Colômbia, Equador e Peru. Entretanto, esse bloco sofreu modificações com a saída do Chile em 1976 e com a incorporação da Venezuela em 1974. Mas esse país saiu em 2006. O Peru suspendeu sua participação em 1993, mas voltou a fazer parte da associação em 1994. Em setembro de 2006, o Conselho Andino de Chanceleres, reunido em Nova York, aprovou a reincorporação do Chile à CAN como membro associado.

Esse Acordo teve como principal motivação a insatisfação de alguns dos participantes da ALALC, principalmente países médios e pequenos, devido à distribuição desigual dos benefícios e à falta de políticas compensatórias de perdas para países com infra-estrutura menos desenvolvida (Braga, 2006).     Também conhecido como Pacto Andino  2(até 1996), o Acordo de Cartagena tinha como objetivo a integração regional nos moldes dos padrões internacionais.  

A experiência da CAN exibe muitos ensinamentos e seu resgate constitui-se numa condição necessária para o entendimento das reais dificuldades na cooperação econômica e política entre os países do continente.

4.2     Organização do Tratado de Cooperação Amazônica (OTCA)
Encontra-se na América do Sul a Amazônia, que tem sido foco da atenção nacional e internacional, um tema central no debate político sobre o efeito estufa e suas conseqüências para o clima. A sua importância estratégica pode ser vista como decorrência da sua dimensão continental, por ser a maior bacia hidrográfica do planeta e a mais extensa floresta tropical da superfície terrestre, com enorme quantidade de recursos naturais renováveis e não renováveis.

Enquanto isso, as demandas do mercado global por água, energia, alimentos, biocombustíveis e fármacos, bem como a crescente preocupação mundial com os riscos para a humanidade decorrentes de práticas ambientais destrutivas, aumentaram a importância geopolítica da Amazônia e de seus recursos naturais.

Durante as últimas décadas a Amazônia tem sido foco de tensões devido principalmente, a pressões e interesses internacionais sobre os países da região, fundamentado nas questões de direitos humanos e problemas indígenas, na proteção do meio ambiente, no acesso as riquezas da região e no incremento da ocorrência de ilícitos transnacionais.

Estes problemas aliados à dimensão continental e à sua riqueza, fazem da Amazônia objeto de preocupação e atenção dos governos da região, quanto a sua segurança e defesa, pois podem contribuir para uma instabilidade política e militar regional.

Assim, os países desta região, sensíveis a esses problemas, formularam o Tratado de Cooperação Amazônica (TCA), que foi assinado no dia 03 de julho de 1978, em Brasília, pelos oito países amazônicos 3. É um instrumento jurídico de natureza técnica que tem por objetivo promover o desenvolvimento harmônico da Amazônia, que permita uma distribuição eqüitativa dos benefícios desse desenvolvimento entre as partes contratantes, para elevar o nível de vida de seus povos e lograr a plena incorporação de seus territórios amazônicos às respectivas economias nacionais.

Em 1995, os Ministros do Exterior dos países-membros, reunidos em Lima, Peru, acordaram criar a Organização do Tratado de Cooperação Amazônica (OTCA) 4, de modo a fortalecer institucionalmente o TCA e dar-lhe personalidade internacional. A emenda foi aprovada em Caracas, Venezuela, em 1998, permitindo o estabelecimento da Secretaria Permanente da OTCA em Brasília.

A importância crescente da região na geopolítica mundial, os avanços no debate e na promoção do paradigma do “desenvolvimento sustentável”; o caráter global dos desafios da proteção ambiental, assim como a responsabilidade soberana dos países amazônicos pelo futuro da região reiteram uma firme disposição política e o apoio irrestrito das Partes de realizar ações adicionais para que a cooperação regional amazônica seja mais eficaz e alcance resultados de maior projeção.

Somente a atribuição de valor econômico à floresta  permitirá a ela competir com outros usos que pressupõem sua derrubada ou degradação, e a expressão C, T & I poderá mostrar o caminho de como utilizar o patrimônio natural sem destruí-la, incentivando a pesquisa e o desenvolvimento para as indústrias de fármacos e cosméticos, por exemplo.

Os recursos hídricos são muitas vezes transnacionais, o que pode levar ao conflito ou à cooperação entre os Estados pela sua utilização. No caso da Amazônia que é compartilhada por oito países, já existe uma organização internacional, a OTCA, que busca através da cooperação entre os países amazônicos formular soluções para seus problemas comuns.

Neste contexto, a Amazônia surge como um importante pólo de atração política, de oportunidades econômicas e de integração com seus vizinhos.

4.3        Mercosul
O Mercosul - Mercado Comum do Sul - é um processo de integração econômica entre Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai que foi constituído em 26 de março de 1991, com a assinatura do Tratado de Assunção. Sua evolução começou a partir do programa de aproximação econômica entre Brasil e Argentina, em meados dos anos 80.

A criação do Mercosul procurou explorar a tendência mundial de implantação de blocos econômicos que permitissem às economias de seus integrantes a sua dinamização e a supressão das vulnerabilidades externas.

Assim, em 06 de julho de 1990, Brasil e Argentina firmaram a "Ata de Buenos Aires", quando fixam a data de 31/12/94 para a conformação definitiva de um Mercado Comum entre os dois países.

Em agosto de 1990, Paraguai e Uruguai foram convidados a incorporar-se ao processo de integração, tendo em vista a densidade dos laços econômicos e políticos que os unem a Brasil e Argentina. Como conseqüência, é assinado, em 26 de março de 1991, o "Tratado de Assunção para Constituição do Mercado Comum do Sul".

O Mercosul é, desde 1º de janeiro de 1995, uma União Aduaneira 5. No entanto, pode-se dizer que é um projeto de construção de um Mercado Comum, que para atingi-lo, deverá concretizar os seguintes objetivos: a) eliminação de barreiras tarifárias e não-tarifárias no comércio entre os países membros; b) adoção de uma TEC; c) coordenação de políticas macroeconômicas; d) livre comércio de serviços; e) livre circulação de mão-de-obra; e f) livre circulação de capitais.

O Mercosul representa um salto qualitativo nas relações econômicas entre os quatro Estados-membros que o integram. Este bloco empreende esforços no sentido de ampliar o seu quadro de participantes, num princípio de regionalismo aberto, aceitando a adesão de outros membros ou blocos, mediante negociação conjunta, visando alcançar toda a América do Sul. A sua expansão inclui, hoje, membros como a Venezuela, que aguarda o referendo dos Congressos brasileiro e paraguaio, e outros associados e participantes complementares da dinâmica comercial como o Chile, a Bolívia, o Peru, o Equador e a Colômbia.

A adesão da Venezuela ao Mercosul é um importante marco para o aprofundamento do processo de integração da América do Sul. Além da natural ampliação dos fluxos comerciais regionais, a incorporação daquele país - andino, caribenho e amazônico - abre amplas possibilidades de cooperação nos setores energético e de infra-estrutura, dois dos principais desafios que se colocam para os países do continente. E também a proximidade geográfica com os EUA e com a Europa.

Mas os grandes obstáculos surgiram. Diante do novo cenário internacional – queda do muro de Berlim - o Mercosul sofreu severas pressões por parte dos Estados Unidos da América (EUA), que passaram a ser potência líder de um mundo que, à deriva, parecia caminhar para o unipolarismo, e não tardaria a executar ações que considerava vitais para os seus respectivos interesses nacionais. Dessa maneira, as relações argentino-brasileiras pareciam perdidas.

Visando reduzir o desequilíbrio da sua balança comercial os EUA promoveram a liberalização do comércio exterior. Um dos objetivos era implantar a Área de Livre Comércio das Américas (ALCA). O Mercosul foi uma resistência à essa Área, que se tivesse sido implantada como queriam os americanos, hoje, o parque industrial dos países sul-americanos estaria falido e teria sido confirmada a Teoria do Limes – o sul será eterno fornecedor de commodities para o norte.

O núcleo geo-econômico do Mercosul é a região platina, abrangendo o Centro-Sul do Brasil, o pampa argentino, o Uruguai e o oeste do Paraguai: onde se encontram os seus principais núcleos populacionais e industriais. Desse modo, sustenta o caráter estratégico do chamado eixo sul-sul e neste âmbito, da afirmação da identidade sul-americana do Brasil.

Hoje, o Mercosul vive uma fase de forte recuperação econômica, mas sua integração comercial encontra dificuldades adicionais, devido à emergência de governos mais nacionalistas na região.

4.4.     UNASUL
A União das Nações Sul-Americanas (Unasul) foi instituída formalmente, em 23 de maio de 2008, em Brasília, com a assinatura do Tratado Constitutivo, que confere personalidade jurídica internacional ao subcontinente. Irá congregar os 12 países sul-americanos, com objetivos de coordenação política, econômica e social. Espera avançar na integração física, energética, de telecomunicações, de ciência e educação.

Teve sua origem no terceiro encontro de cúpula sul-americano, em 8 de dezembro de 2004, quando os presidentes ou representantes de 12 países sul-americanos assinaram a Declaração de Cuzco, uma carta de intenções, anunciando a fundação da então Comunidade Sul-Americana de Nações.

Os líderes anunciaram a intenção de modelar a nova comunidade segundo a União Européia, incluindo uma moeda, um passaporte e um parlamento comuns.
Uma das iniciativas do Unasul é a criação de um mercado comum, começando com a eliminação de tarifas para produtos considerados não sensíveis até 2014 e para produtos sensíveis até 2019.
Dessa maneira, a América do Sul ganha status de organização internacional, reconhecida na Organização das Nações Unidas (ONU) e capaz de negociar com outros países, blocos de países e instâncias multilaterais.
A rigor, a reunião de Brasília cumpriu seu objetivo central - a assinatura do tratado constitutivo da Unasul, que dará as bases jurídicas para a ação desse novo organismo regional.           
Como se reiterou na cúpula de Brasília, espaços como a Unasul são essenciais para botar a América do Sul “no mapa” e dar-lhe peso maior nas negociações internacionais.
A Unasul cria uma nova geopolítica em uma parte do mundo onde existem grandes reservas de recursos naturais como minérios, águas, terras cultiváveis e energia. Esta dotação de recursos naturais, apoiados por infra-estrutura e recursos humanos bem treinados podem tornar uma das mais importantes áreas econômicas  num mundo globalizado que consome grandes quantidades de alimentos, matérias-primas e  energia.
O projeto de constituição da Unasul pode ser interpretado, em ampla medida, como busca de concretização do intuito de se priorizar não apenas a economia e o intercâmbio comercial, mas também a política, possibilitando a construção de uma maior capacidade coletiva de influência nas negociações internacionais, além de tentar uma certa neutralização de eventuais ações unilaterais dos EUA.

4.5 Iniciativa Para A Integração Das Infra-Estruturas Regionais Sul -Americana (IIRSA)   
A América do Sul é um território com quatro grandes obstáculos internos: a cordilheira dos Andes, a selva amazônica, o próprio Rio Amazonas e o Pantanal. É fundamental, para o êxito da integração regional construir as “pontes” para unir estas ilhas.

Sem a ligação física entre os países é muito difícil integrarem-se as populações, que se vêem como povos distantes e dissociados.

A partir da criação do Mercosul, a meta de integração física passou a ter conotações comerciais e desenvolvimentistas, buscando-se a formação de corredores de integração, dos quais possam beneficiar-se a população.

A IIRSA, um instrumento da atual política exterior brasileira para a América do Sul,  tem por objetivo promover o desenvolvimento da infra-estrutura de transporte, energia e telecomunicações regional, procurando a integração física dos doze países de América do Sul, visando alcançar um padrão de desenvolvimento territorial eqüitativo e sustentável. Ou seja, desenvolver a região sob a égide da coesão social e econômica, para uma integração competitiva no mercado global.

Essa é uma iniciativa de todos os países da América do Sul que surgiu na Reunião de Presidentes de países da América do Sul realizada no mês de Agosto de 2000, na cidade de Brasília, quando os mandatários acordaram realizar ações conjuntas para impulsionar o processo de integração política, social e econômica sul-americana, incluindo a modernização da infra-estrutura regional e ações específicas para estimular a integração e o desenvolvimento de sub-regiões isoladas. Estabeleceu-se um prazo de 10 anos como horizonte de ação para a implementação do processo de integração das infra-estruturas na região.

Mas uma integração física é complexa: as proporções do continente, barreiras naturais e particularidades sócio-econômicas de ocupação da América do Sul são fatores que dificultam a ligação.

Através do trabalho conjunto dos países e instituições multilaterais participantes, a IIRSA concentrou seus esforços em dez Eixos de Integração e Desenvolvimento (EID), que são os seguintes:

1. Eixo Mercosul-Chile (São Paulo – Montevidéu - Buenos Aires - Santiago); 2. Eixo Andino (Caracas  -Bogotá – Quito – Lima - La Paz); 3. Eixo Andino do Sul (do Norte ao Sul da Argentina); 4. Eixo da Hidrovia Paraná-Paraguai; 5. Eixo de Capricórnio (Antofogasta/Chile - Jujuy/Argentina - Assunção/Paraguai – Porto Alegre/Brasil); 6. Eixo do Escudo das Guianas (Venezuela – Brasil – Guiana - Suriname); 7. Eixo Multimodal do Amazonas (Brasil – Colômbia – Equador - Peru); 8. Eixo do Sul (Talcahuano - Concepción/Chile – Neuquen - Bahia Blanca/Argentina); 9. Eixo Peru-Brasil (Acre-Rondônia)-Bolívia; e 10. Eixo Interoceânico Central (Brasil – Bolívia – Paraguai – Peru - Chile).

Deve-se assegurar que os projetos não se convertam somente em grandes corredores de exportação, mas que também possam gerar desenvolvimento nas suas áreas de influência. Antes mesmo de se concretizar uma ligação interoceânica por meio da integração das infra-estruturas na América do Sul, focaliza-se na importância que esses projetos podem ter no estímulo ao desenvolvimento do interior do continente que, longe da costa, está pouco conectado aos fluxos regionais e globais.

O fato dos doze países sul-americanos terem firmado a lista dos 31 projetos simboliza a coesão da região em torno de prioridades comuns para o seu desenvolvimento e integração.

A IIRSA é uma revolução silenciosa na América do Sul. E sua vinculação à Unasul na estratégia de integração regional tende a conferir maior importância à iniciativa, tornando-se mais relevante um monitoramento constante da sua evolução.


5  PONTOS FRACOS E AMEAÇAS
A questão ambiental, o papel da Amazônia e a expansão do ilícito transacional constituem temas de interesse compartilhado pelo Brasil e vários de seus vizinhos.

Outra preocupação é a quantidade de Organizações não governamentais (ONG) que atuam na Amazônia brasileira. Tem sido observado que, utilizando argumentos de violação aos direitos humanos ( questão indígena, trabalho infantil e escravo) e de proteção ambiental, têm criado dificuldades às tentativas de desenvolvimento da região. Recentemente, o governo brasileiro começou a cadastrá-las.

A questão da segurança energética é central nos dias de hoje e no futuro previsível. A integração e a autonomia regional energética para garantir a segurança de abastecimento energético são prioridades absolutas da política externa brasileira na região.

A burocracia brasileira também é um problema a ser solucionado. Essa situação reflete o fato de que, apesar dos acordos de livre-comércio negociados pelo Brasil com quase todos os países da região (exceto Guiana e Suriname), permanecem barreiras resultantes de ações da burocracia brasileira, que mantém exigências muitas vezes desnecessárias que impedem o crescimento do comércio.

A nacionalização dos recursos naturais, como no caso dos hidrocarbonetos na Bolívia, a prioridade de objetivos domésticos sobre a cooperação regional, exemplificada pelo conflito das papeleras 6 entre Uruguai e Argentina, são fatores que trazem novos desafios para a América do Sul, na medida em que apontam na direção oposta aos objetivos de estabilidade econômica e política regional.

No corrente ano, a Colômbia realizou um ataque às Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) que se encontravam em território equatoriano. O Equador reclamou e a Venezuela se solidarizou com este país, trazendo instabilidade à região. Este fato tem sido solucionado, pois a morte dos 2 principais líderes e a recente libertação de 15 reféns, com destaque para a senadora Ingrid Betancourt, mostrando que as FARC estão se dissolvendo. Isto gerou uma crise regional.

O posicionamento geopolítico do Chile, voltado para o Oceano Pacífico, o aproxima dos EUA, pois a Cordilheira dos Andes torna-se um obstáculo para o leste. E esse fato o faz voltar-se naturalmente para a hiperpotência.

A relação contemporânea entre Colômbia e Estados Unidos, que apóiam o combate ao narcotráfico no país andino, aumenta a influência norte-americana no sul do continente.

6 PERSPECTIVAS
A integração sul-americana é viável e deve ser um objetivo da política externa dos países da região, particularmente do Brasil.

Com a conclusão da maioria dos projetos da IIRSA, prevista para 2010, a probabilidade de uma maior integração regional aumenta, uma vez que o comércio deverá crescer, incentivando o empresariado sul-americano.

A união da Venezuela é também um importante marco para o aprofundamento desse processo, pois poderá implicar um certo reequilíbrio intrabloco e mudará o eixo estratégico do Mercosul  - da Bacia do Prata para o Norte, com a transformação da Amazônia em “área-pivô” da integração sul-americana.

Assim, a despeito de dificuldades, há uma especial oportunidade estratégica, pois o Mercosul (impulso platense) é o ponto de partida da geopolítica para atuar na frente sul-sul (centro mundial de poder), que possibilitará a integração deste bloco com 2 grandes segmentos: Índia – Brasil – África do Sul (IBAS) e com a Cúpula dos Países Árabes. Essa é uma iniciativa que pode, de forma útil, complementar os movimentos políticos em direção à América Andina, o que será uma articulação política muito mais árdua do que parece à primeira vista, pois terá de enfrentar a forte resistência dos EUA.

Somente com investimentos em C,T&I é que o desafio da concepção de um novo paradigma de desenvolvimento para a Amazônia poderá ser enfrentado. Tal base constituirá condição fundamental para a implantação de um novo modelo de desenvolvimento, que valorize a floresta e seus produtos, dando a este valor econômico que justifiquem a sua exploração sustentável e não a sua derrubada.

6.1 Algumas Sugestões que poderão contribuir para a integração

Há necessidade de:
a. conscientização da opinião pública, divulgando e valorizando as ações da CAN, da OTCA, do MERCOSUL e da Unasul; mostrando a importância da integração sul-americana e da IIRSA;

b.  Intensificação da fiscalização da região Amazônica, ampliando mecanismos para o combate ao garimpo predatório e à biopirataria, preservando a biodiversidade; controlando, em melhores condições, a presença de estrangeiros e a ação de ONG; e combatendo os ilícitos transfronteiriços;

c. Investimento e incentivo de C, T& I na Amazônia, criando novas universidades públicas na Amazônia, e incentivando cada país membro da OTCA a criar, pelo menos uma, de preferência, nas capitais; criando, no mínimo, três Institutos científico-tecnológicos voltados para pesquisas aplicadas, com prioridade nas seguintes áreas: a) recursos florestais e da biodiversidade; b) recursos aquáticos e c) recursos minerais; aumentando a comunicação entre os países, intensificando o intercâmbio intra-regional e desenvolvendo linhas de pesquisa comuns que aproveitem as capacidades instaladas na Amazônia, pois serão meios para potencializar os trabalhos realizados em âmbitos regionais e apoiarão políticas que respondam às necessidades da população;

d. Intensificação da presença do Brasil junto aos países sul-americanos;

e. Fortalecimento do Mercosul, tornando os países associados em membros plenos; acabando com as assimetrias no bloco;

f. Criação de uma moeda sul-americana; e

g. Criação do Conselho Sul-Americano de Defesa, criando um Centro de Estudos de Segurança e Defesa da América do Sul voltado para a formulação de Políticas e Estratégias de Segurança e Defesa conjuntas; criando um Centro de Estudos Estratégicos Sul-Americano; e incentivando a indústria de defesa nos países.


7 CONCLUSÃO
O continente sul-americano dispõe de riquezas naturais e de espaço que podem garantir-lhe condições de pleno e contínuo desenvolvimento. Apesar desse grande potencial, a região tem sido considerada como parte da periferia mundial e ficado fora do interesse das principais correntes geopolíticas mundiais. 

A Frente Sul-Sul consolidada possibilitará o fortalecimento do IBAS, uma parceria estratégica com os Países Árabes, com a China e com o Sudeste Asiático, além do incremento da reunião de cúpula dos BRIC.

A América do Sul está frente ao desafio que definirá seu papel no século XXI: retomar o crescimento econômico com ampla participação social, para construir as bases de um desenvolvimento sustentável que gere bem-estar social, reduza os níveis de pobreza e desigualdade em todos os países da região e aumente sua relevância na economia mundial.

Dessa maneira, o continente sul-americano deve aproveitar o cenário da Teoria da Turbulência para sair da estagnação e consolidar a Teoria do Quaterno.







REFERÊNCIAS:

ALMEIDA, Alessandra Jutel. Mercosul: antecedentes, estrutura e objetivos.  Teresina, 2003.

AMARAL, Ricardo. Uma crise para testar a liderança do Brasil. Revista Época, São Paulo, p. 79, 10 mar 2008.

BRAGA, Márcio Bobik ,  PINTO, Hugo Eduardo Meza. A lógica do regionalismo na América Latina e a Comunidade Andina das Nações. Monografia. São Paulo. USP.  2006.

CASTRO, Therezinha de. Geopolítica, princípios, meios e fins. Rio de Janeiro. Biblioteca do Exército, 1999.

COMUNIDADE Andina de Nações. Disponível em : <http://www.tiosam.com/enciclopedia/?q=Pacto_Andino>. Acesso em 7 abr 2008.

DECLARAÇÃO de Cuzco sobre a Comunidade Sul-Americana de Nações. Disponível em <http://pt.wikisource.org/wiki/Declara%C3%A7%C3%A3o_de_Cuzco>.  Acesso em 9 abr  2008.

GÓES, Guilherme Sandoval. Geopolítica e pós-modernidade. Revista da Escola Superior de Guerra. Rio de Janeiro. v23, p. 95-126, jul/dez. 2007.

INICIATIVA para a integração das infra-estruturas regionais sul-americana – IIRSA. Disponível em <http://www.iirsa.org>.  Acesso em 12 abr  2008.

JUNIOR, Paulo Ribeiro Branco. Mercosul e  o futuro do bloco econômico. Revista da Escola Superior de Guerra. Rio de Janeiro. v23. p. 169-187, jul/dez. 2007.

LANGONI, Carlos Geraldo. Os novos blocos econômicos: desafios e oportunidades. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1993.

LIMA, Luísa. Constituição Federal. 4. ed. atual. Barueri, SP: Manole, 2007.
MAFRA, Roberto Machado de Oliveira. Geopolítica e Introdução ao estudo. Rio de Janeiro. Sicurezza, 2006.

MATTOS, Carlos de Meira. Geopolítica e modernidade. Coleção General Meira Mattos. v2.  -------, 2007.

MERCOSUL. Disponível em <http://www.brasilescola.com/geografia/mercosul.htm>.  Acesso em 12 abr  2008.

MOREIRA, José Benedito de Barros. A nova geopolítica mundial e seus reflexos para o Brasil. Revista da Escola Superior de Guerra. Rio de Janeiro. v23. p. 07-22, jul/dez. 2007.

NASSER, Bianca. Economia Regional, Desigualdade Regional no Brasil e o Estudo dos Eixos Nacionais de Integração e Desenvolvimento. Revista do BNDES, Rio de Janeiro, v7, n. 14, p. 145-178, dez. 2000.

NOGUEIRA, Joana Laura Marinho. Iniciativa para a Integração da Infra-estrutura Regional Sul Americana – IIRSA. Monografia. Belo Horizonte. PUC, 2008.

OLIVEIRA, Jorge Alexandre Barcellos de. Tratado de Cooperação Amazônico como instrumento de Segurança Hemisférica e de Desenvolvimento Econômico-Social da Região Amazônica. Monografia. Washington, DC: CID, 2007.

 OTCA. Boletim. Brasília: OTCA, ano I, n. 1, 2004. Disponível em:
<http://www.otca.org.br/publicacao/portugues.pdf>. Acesso em: 10 abr. 2008.

ORGANIZAÇÃO do Tratado de Cooperação Amazônica. Disponível em <http://www.otca.org.br/br>.  Acesso em 07 abr  2008.

PEDRETI, Julio César Marrocos. A geopolítica de afirmação nacional e  integração regional e a política externa brasileira. Monografia. Rio de Janeiro. Escola de Guerra Naval, 2007.

PEREIRA, Merval. Interesse Nacional. O Globo, Rio de Janeiro, 9 abr 2008, p.4.
PEREIRA, Merval. Potência Regional. O Globo, Rio de Janeiro, 11 mar 2008, p.4.

REGO, Joaquim Arinê Bacelar, Monografia. Elementos para uma Geopolítica Brasileira no Século XXI. Rio de Janeiro: EGN, 2003

RUFIN, Jean-Christophe. O império e os novos bárbaros. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército, 1996.

SANT’ANNA, Fernanda Mello. O papel da cooperação amazônica para a gestão dos recursos hídricos transfronteiriços. I Simpósio em Relações Internacionais do programa de pósgraduação em Relações Internacionais San Tiago Dantas (UNESP, UNICAMP e PUC-SP), 2007.

SILVA, José Guilherme Carvalho da. A Integração Sul-americana e o Brasil: o protagonismo brasileiro na implementação da IIRSA. Monografia. Belém: UFPA, 2004.

SILVA, Paulo Roberto Costa e. Integração sul-americana. Monografia. Rio de Janeiro: ESG, 2001.

SILVA, Talita da. A influência da cultura na integração do Mercosul. Monografia. Santo André, 2007.

STEVAUX, João Batista. A geopolítica brasileira e sua relação com a América Do Sul: reflexos em sua política externa. Monografia. Rio de Janeiro: EGN, 2007.

ZENTGRAF, Maria Cristina. Introdução ao estudo da metodologia científica. Rio de Janeiro: COPPEAD/UFRJ, 2008.   
NOTAS:
1.   Everardo Adolfo Beckheuser foi considerado o precussor da Geopolítica no Brasil (MATTOS, 2007, p. 61).
2.  O Pacto Andino foi convertido em Comunidade Andina de Nações (CAN) em 1996, por intermédio do Protocolo de Trujillo.
3.  Bolívia, Brasil, Colômbia, Equador, Guiana, Peru, Suriname e Venezuela.
4.  Entrou em vigor em 2002.
5.  União aduaneira é um passo da zona de livre comércio cujo elemento característico da livre circulação de mercadorias incorpora, completando-o com a adoção de uma tarifa aduaneira comum, eliminando os complexos problemas da definição das regras de origem. (ALMEIDA, 2003).
6.  Fábricas de celulose.
MOREIRA, Heleno. Integração sul-americana: situação atual e perspectivas Rio de Janeiro: Revista Eletrônica Boletim do TEMPO, Ano 4, Nº 03, Rio, 2009 [ISSN 1981-3384]
Logo financiadores

Edições Anteriores

Vitrine do Tempo Presente

Cine Tempo

Frontpage Slideshow | Copyright © 2006-2011 JoomlaWorks Ltd.